domingo, 23 de fevereiro de 2014

Lucas


Eu bati o olho nele e meu estômago deu voltas. Nada de amor platônico exatamente, amor à primeira vista e essas coisas, foi uma atração mesmo. Mas aí sei lá, a vida é assim e a gente porventura troca de foco, principalmente quando descobre que nossa meia já tem um pé e eu desisti. Desisti, mas toda vez que batia o olho pensava "precisa ser tão lindo?". Foi só depois de mais dias que não cabem em um ano que ele começou a me achar tão linda também.

Foi pianinho que as conversas, os beijos, os abraços e os carinhos começaram a fazer parte dos meus cafés-da-manhã. Ele é o tipo que eu precisava, não o que eu queria pedir no cardápio. Ele é todo o açúcar que eu não coloco no meu café. Ele é o motivo de sorrir tanto. Ele é. Bem simples assim, como todo mundo dizia que seria quando fosse. Eu sabia que ele era e seria, e ele tá sendo.

E todo dia que abro a porta pra ele entrar me deparo com aquele sorriso aqui de dentro porque sei que não podia querer mais nada. Porque nunca vou esquecer das voltas que o estômago e o coração deram quando ele me pegou pela cintura naquele primeiro beijo que gente deu e que continuam a aparecer até hoje. E eu ainda não sei porque diabos ele precisa ser tão lindo.

Tá sendo o sorriso e os olhos de amêndoas que sorriem quando ele tá feliz. Tá sendo o cheirinho que me conforta, me faz feliz. Feliz de verdade, sem tormenta nem furacão. Ele tá sendo uma calmaria nesse coração vulcânico pela certeza que é recíproco.

Eu amo chuvisco abraços sorrisos muito demais enormemente ele Lucas.

2 comentários:

Thaís disse...

Côsa mais quirida!

Lu Pinheiro disse...

E viva a calmaria! Post fofíssimo.