sábado, 24 de maio de 2008

Síntese da vida

Necessidade de subversidade parte I

Fugir pra quê? Cantar o quê?
Gostar também gosto, rir também rio, entender, talvez entenda. O paradoxo da vida vai mais além da necessidade de comer e a frieza do não-repartir. O amor vem sendo subjulgado e ninguém mais entende o que amar significa. Tampouco a mim. Deveras espera, vou é pesquisar e aprender um pouco mais, saciar minha fome de conhecer que daqui não me escapo tão cedo!

3 comentários:

Louie Louie disse...

Ai, ai, ai! Mas que mania chata de querer entender, pôr empalavras, e organizar as coisas que se servem bagunçadas! O bom é ser, estar, ter, enetender só atrapalha em tudo.

André Almeida disse...

aprender um pouco mais. e eu que nada sei.

humpf.=^\

Cristal - a louca. disse...

Nãoooo eu não tenho seu nome, vc é que tem o meu!!!!! kkkk.

Vamos ver... quem nasceu primeiro? hehehehe.

^^