sábado, 1 de novembro de 2008

Morrendo

Vivo às ânsias de te encontrar. Esses dias estava recuando da minha fraqueza:
- Oi!
- Oi!
...
- Não vai me dar um beijo?
- Vou! (enquanto pensava que na verdade não iria)
Outroras penso em ti por causa do retrato falado que tenho aqui no meu quarto. Esses dias pensei se não seria ótimo te convidar para um café. Aí realizei que não tenho teus números, que és uma incógnita que as vezes dá a graça da presença. Tenho pavor de apaixonados, mas algumas coisas não entendo. Até outro encontro casual!

[edit] "Eu você e todos os encontros casuais
os ais e os hão de ser
e todos os casais também
olha, acho até que quem achou que nunca ia
esse ia se espantar de ver que o ódio e o amor
e até eu vou pra ver no que vai dara mass
a a moça
e até esse pra sempre

tudo passa" [/edit]

Um comentário:

Louie Louie disse...

Descobri há pouco que muitos gostam dessa instabilidade, não é? Esse encontros casuais, insegurança, sensações fortes e loucas pelo corpo. Sempre fui uma pessoa muito mais de estabilidade, rotina, e sentimentos certos, porém ainda intensos, pelo corpo.
Quem sabe seja realmente boa toda essa insegurança para um(a) jovem compositor(a), não é?