quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Zen e a arte da manutenção de motocicletas

Uma investigação sobre valores (isso foi a continuação do título)

"Quais são as novidades?" é a eterna pergunta, interessante e abrangente; mas, se só perguntarmos isso, obteremos uma série interminável de banalidades e modismos, o lodo do futuro. Eu prefiro me preocupar em perguntar: "o que é melhor?" É um questionamento mais profundo do que abrangente, cujas respostas tendem a lançar o lodo correnteza abaixo. (isso foi um trecho do livro)

Ok, eu to adorando o livro. E pensem, o que é melhor pra vocês? O melhor pra mim é pensar em mim e parar de pensar no que seria bom pros outros. Não posso ser segundo plano na minha própria vida, seria muita contradição pra uma pessoa só. Então, se eu estiver bem, ajudarei o máximo que puder.

O melhor pra todos nós seria pararmos de jogar água fora, separarmos o lixo, pensarmos com a cabeça. Não sei porque diabos nós somos tão nojentos! Que nojo da humanidade... (crise de Mafalda)

PS: Menino, se cuida que to muito preocupada contigo. Tanto que meus cachinhos alisaram por conta própria hoje. Qualquer dia desses me afogo nessa tua piscina azul! E, hei! Seja muito feliz por favor. Beijos em você.

3 comentários:

Henri Winckler disse...

Certeza. Muitas vezes nos preocupamos em ajudar os outros, quando na real, qem precisa de ajuda somos nós mesmos...

bjoo cristal

Anderson Marques disse...

"Não posso ser segundo plano na minha própria vida, seria muita contradição pra uma pessoa só. Então, se eu estiver bem, ajudarei o máximo que puder." Essa parte resume bem uma sociedade ideal, creio. Pena que muitos não pensam dessa forma. Uns, por mais ricos de saúde e todo o resto, se negam a ajudar o próximo. Ambição. E outro, por pior que estejam, sempre querem ajudar. Não que essa seja uma má qualidade, mas deve existir uma certa conscientização. Acaba que a humanidade vira essa ralidade, que pra Mafalda já é lenda..hehe..

PS: Fiquei realmente com vontade de ler esse livro.

Louie Louie disse...

Mas pensar em si mesmo não é egoísmo? Egocentrismo? Só pensar em si mesmo? E esse livro não é tão Zen, a nãos er que em algum momento ele diga que "um é tudo e tudo é um", portanto se cuidarmos de nós, e nós somos parte de tudo, nós cuidamos de tudo, e a recíproca também é verdadeira.
Não sei, acho quhá momentos em que devemos pensar em nós mesmo e outros que devemos nos concentrar nos outros. Não em qualquer outro, um outo especial, um outro que mereça atenção. Porque, novamente, um é tudo e tudo é um.
É como um mar com ondas, saca? As ondas podem ser diferentes entre si, mas ainda são a mesmo coisa - água.
Não sei o quão Zen Budista é esse livro, e o quanto te interessa o Zen Budismo, ams se tu qusier eu tenho um monte de livros sobre o assunto.

^^